JULHO 2021

 

domingo 11, PRAZER, CAMARADAS!, POR, 2019, Cores, 105 min.

sexta-feira 30, MINARI, EUA, 2020, Cores, 115 min.
Na sequência da aplicação de restrições no concelho de Vila do Conde, o horário da sessão de sexta feira dia 30, foi antecipada para um Sessão única às 20h00 no Teatro Municipal de Vila do Conde

sexta-feira 30, MINARI

 

EUA, 2020, Cores, 115 min.

Título original: Minari // De:Lee Isaac Chung // Com:Alan Kim, Yeri Han, Noel Kate Cho // Género:Drama // Classificação:M/12


Década de 1980. David, de sete anos, muda-se com os pais, imigrantes sul-coreanos, para uma zona rural do Arkansas. A vida ali é difícil e os pais arriscam todas as poupanças ao tentar criar uma quinta em solo inexplorado. Perante tanta imprevisibilidade, será a chegada da avó Soonja, uma pessoa muito peculiar, a ajudar David a adaptar-se àquele lugar.
Um drama semibiográfico sobre o “sonho americano”, escrito e realizado pelo americano de ascendência coreana Lee Isaac Chung (“Munyurangabo”, “Lucky Life”, “Abigail Harm”). Estreado no Festival de Cinema de Sundance, onde recebeu o Grande Prémio do Júri e o Prémio do Público, foi o vencedor do Globo de Ouro para melhor filme estrangeiro. “Minari” foi também nomeado para os BAFTA nas categorias de melhor filme em língua estrangeira, realizador, actor secundário (Alan S. Kim), banda sonora original e elenco, arrecadando o de actriz secundária (Yuh-Jung Youn). Com seis nomeações para os Óscares, mereceu o de melhor actriz secundária (novamente Youn). Pelo seu papel como David, Alan Kim, de oito anos, foi também distinguido pelo Critics’ Choice Awards com o Prémio de Melhor Jovem Actor.

domingo 11, PRAZER, CAMARADAS!

 

POR, 2019, Cores, 105 min.

Título original:Prazer, Camaradas! // De:José Filipe Costa // Género:Comédia, Histórico, Documentário, Ficção // Classificação:M/12


Com produção de Uma Pedra no Sapato e realização de José Filipe Costa, "Prazer, Camaradas!" – que teve estreia internacional em Agosto de 2019, no Festival de Locarno (Suíça) – junta histórias vividas em cooperativas e aldeias portuguesas no pós-25 de Abril de 1974, contadas por portugueses e estrangeiros que as viveram. Na trama, alguns dos actores são as pessoas que, em 1975, vieram ou regressaram a Portugal para participar na revolução. "Não podia pôr actores a fazerem isto como na época, nem usar actores-estátuas a dizerem textos", explica Costa. "Como então pôr os documentos a falar? E tive esta ideia de pôr estas pessoas com 61 e tal anos neste limbo. O jogo era muito simples, eles viverem com aquele corpo como se estivessem a viver no passado, e eu não sabia o que ia sair daí, e fui sendo surpreendido, muito surpreendido."

JUNHO 2021

Domingo 6, MAIS UMA RODADA, Thomas Vinterberg, M/14, 117'

Domingo 13, UNDINE, Christian Petzold, M/12, 91'

Domingo 20 , NOTTURNO, Gianfranco Rosi, M/12, 100'

Domingo 27, MARIGHELLA, Wagner Moura, M/14, 155´

Domingo 6, MAIS UMA RODADA

 

SUE/DIN/HOL, 2020, Cores, 117 min.

Título original: Druk // De: Thomas Vinterberg // Com: Mads Mikkelsen, Thomas Bo Larsen, Magnus Millang, Lars Ranthe // Género: Comédia Dramática 


Segundo a teoria de um filósofo sueco, nascemos com um défice de álcool no sangue de 0,5 por cento, o que nos faz carregar uma certa melancolia. Para resolver o “problema”, sugere que se consuma diariamente a dose de álcool em falta e assim encontrar o equilíbrio. Quatro professores de um liceu decidem testar a teoria e começam a beber todos os dias. O resultado é positivo. Eles sentem-se bastante mais felizes, desinibidos e corajosos, o que os ajuda tanto nas suas relações pessoais como profissionais. Mas quando Martin desafia os companheiros a beber mais um pouco de maneira a maximizarem os efeitos, as coisas depressa ficam fora de controlo.
Vencedor do Óscar de melhor filme internacional, uma comédia dramática sobre diversão e vício, realizada por Thomas Vinterberg ("A Festa", "Querida Wendy", "A Caça", “A Comuna”). As personagens estão entregues a Thomas Bo Larsen, Magnus Millang, Lars Ranthe e Mads Mikkelsen, que já tinha trabalhado com Vinterberg no filme “A Caça”.

Domingo 13, UNDINE

 


ALE/FRA, 2020, Cores, 91 min.

Título original: Undine // De: Christian Petzold // Com: Paula Beer, Franz Rogowski, Maryam Zaree // Género: Drama, Romance // Classificação: M/12

Undine é uma historiadora de arte que dá conferências sobre o desenvolvimento urbano da cidade de Berlim. Certo dia, apaixona-se por Johannes, com quem inicia um relacionamento amoroso. Quando ele a troca por outra mulher, Undine vê-se tomada por um desejo incontrolável de o matar.
Com argumento e realização do alemão Christian Petzold, o celebrado autor de "Barbara" (2012), "Phoenix" (2014) e "Em Trânsito" (2018), um filme dramático de dimensão sobrenatural que volta a reunir os actores Paula Beer e Franz Rogowski (o par romântico de "Em Trânsito"). A personagem principal, que também dá nome ao filme, representa o mito da Ondina, a ninfa aquática que apenas adquire alma através do amor e que está destinada a assassinar o amante que lhe seja infiel.